Diogo Tabuada: “É possível a estratégia de editar no galego local, no internacional e também em castelhano”