Remato de ler “raiz de orvalho e outros poemas”, do Mía Couto :

– “Na suprema felicidade / existe unha morte silenciada”

– “Eu quería simplesmente olhar de frente a verdade das pequenas coisas”

– “Nenhuma palavra alcança o mundo, eu sei. Ainda assim, escrevo”.

– “Sou apenas um tradutor de silencios”

– “Nao sei o que te invento se amo mesmo quando nao és. Nao sei o que te amo se te invento como és”.

– “De tanto pensarmos fumos ficando sós. De amarmos venceremos o cerco desta solidao”.